HISTÓRIA

Este importante pedaço da história de Jaboatão dos Guararapes foi entregue a população totalmente reformado no dia 18 de dezembro de 2015. É o Cineteatro Samuel Campelo, que está de portas abertas para receber a população, a arte e a cultura local.
Algumas mudanças importantes na estrutura do espaço foram necessárias, mas a fachada e o piso de azulejos e ladrilho da entrada permanecem originais. Já o auditório e o palco precisaram ser reconstruídos, pois foram áreas que sofreram bastante com a ação do tempo.
O teatro originalmente tinha 832 lugares. Com as obras, passa a comportar até 500 pessoas, sendo 491 acomodadas nas poltronas e os demais em espaços para cadeirantes. A redução ocorreu porque as normas de segurança e acessibilidade fizeram com que não fosse possível manter a quantidade de lugares original. O lugar conta agora com rampa para cadeirantes, cadeiras específicas para obesos e portadores de necessidades especiais, além de ampliação do espaço entre as fileiras, atendendo exigências dos bombeiros. O número de saídas também foi adequado às exigências de órgãos fiscalizadores.
As obras, somadas à aquisição de novos equipamentos, como auditório, poltronas, equipamento de climatização, acústica e toda a parte cenográfica e cenotécnica, tiveram um investimento total de R$ 7 milhões, sendo R$ 500 mil recebido através de convênio com o MinC e o restante investido pela Prefeitura. O investimento garantirá para os jaboatanenses um dos teatros mais modernos da Região Metropolitana do Recife.
 O Cineteatro conta ainda com um espaço alternativo anexo, onde são realizadas reuniões, ensaios, oficinas culturais e exibição de películas para pequenos grupos.
HISTÓRICO
O Cineteatro Samuel Campelo situa-se no Centro Histórico de Jaboatão, às margens da via principal, na Avenida Barão de Lucena, onde existe grande concentração de comércio e de serviços.
A pedra fundamental de sua construção foi lançada em 1909, época em que recebeu o nome de Teatro Rosa e Silva. Com o tempo, passou a ser conhecido como Cineteatro Municipal, pois já era utilizado para projeções cinematográficas. Apesar da significativa importância do Cineteatro, a edificação, já naquela época, foi considerada inadequada e, em 1947, o imóvel foi demolido, dando lugar a uma nova edificação.
O Cine Samuel Campelo foi construído no lugar do Cineteatro Municipal pela Companhia de Melhoramentos e Diversões. Sua inauguração teve a exibição do filme Mulher Exótica, no dia 7 de setembro de 1947.
Erguido, de acordo com registros da época, em estilo proto-racionalista com estrutura mista de concreto armado e alvenaria de tijolos, o teatro possui coberta em telha de fibrocimento sobre treliças de concreto. O partido da planta é retangular e a construção possui foyer, plateia e palco, pátio descoberto, galeria lateral (construída com pilares e lajes de concreto), que dá acesso aos sanitários, à administração e à Rua Visconde do Rio Branco.
Ainda de acordo com registros, o prédio sofreu uma reforma em 1956, quando foi inaugurada a projeção em cinemascope e vista-vision, com a aquisição de equipamento da marca BRENKER, ainda no local, como última novidade cinematográfica da época, só existente no Cinema Moderno, no Recife. Depois de 1956, a edificação não recebeu mais nenhuma melhoria, culminando com o seu fechamento em 2000.
PERFIL
Samuel Campelo, figura histórica que dá nome ao Cineteatro, nasceu de uma família de agricultores, em 12 de outubro 1890, no Engenho Arimunã, município de Escada. Posteriormente, estabeleceu-se em Jaboatão, onde sua formação intelectual foi construída. Desde jovem, demonstrou ter aptidões literárias, em especial para o jornalismo e teatro, este último sua grande paixão. Aos 13 anos já escrevia os primeiros artigos e, aos 16, se apresentou em público pela primeira vez. Sua trajetória conta com vasta criação de peças e eventos, sendo um dos principais artistas de Teatro do Estado de Pernambuco.
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Com as obras, foram adotadas soluções para a eliminação, redução ou superação de barreiras, quando possível tendo como referências básicas as orientações da instrução Normativa nº1 de 2003, da Lei Federal 10.098/2000 e a NBR 9050 da ABNT.
Entre as  intervenções realizadas, destaca-se a platéia, que possuía 32 filas com 26 cadeiras de madeira retráteis, perfazendo um total de 832. Com a reforma, de acordo com a NBR-9050, foi modificada, passando a contar com oito espaços para cadeira de rodas, oito assentos para P.M.R. (pessoa com mobilidade reduzida) e seis cadeiras especiais para P.O. (pessoas obesas), com capacidade para suportar 250 kg.
Com estas adaptações, a capacidade da plateia passará para 500 lugares, sendo 491 poltronas e o restante espaços reservados para cadeirantes, com mais conforto e qualidade. Devido ao fato de as cadeiras existentes já estarem muito deterioradas, optou-se em substituí-las por poltronas ergonomicamente mais confortáveis e adequadas.